sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Amor é sujeito simples

Amor é sujeito simples 

E o amor; esse sentimento é o cara.
Todos os verbos bons nele contido
Glossário precioso, reticência rara.
É um texto, sem um ponto definido.

Silêncio sem vírgula que não se cala.
É verbo que se externa escrito na tez
É música sem aspas que na alma fala
Algo que nos avessa uma e outra vez.

Certeza que responde a interrogação
Amor é sujeito simples e sem insulto
É frase perfeita sem o sujeito oculto.

É o coração e a alma em exclamação
Estado incontido carregado de mérito
E torna-se saudade quando pretérito.

ღRaquel Ordonesღ 
Uberlândia MG 26/12/14


sábado, 20 de dezembro de 2014

Quero te amar

Quero te amar

Quero te amar de todo meu sentimento
De toda a eficácia que existe em meu ser
Quero te amar hoje muito além do vento
Todo o dia, toda a noite, todo amanhecer.

Quero te amar enquanto me olha e abraça
Quero te amar no mínimo toque que seja
Quero te amar enquanto tua tez me caça
Quero te amar no ato enquanto me beija.

Quero te amar sabendo dos teus defeitos
Das tuas falhas, por que sei que é humano.
É que o amor decidiu te incluir em meu plano

E que seja, quero te amar assim desse jeito.
No outono, no inverno, quando teu ser florir.
E quero te amar ciente de que possa partir.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 16/12/14


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Deslealdade

Deslealdade

Sabe quando você confia em alguém
A ponto de lhe revelar toda sua vida?
Quando se joga e isso lhe faz tão bem
E sem se importar com futura ferida?

Sabe quando confia até meio inocente
E revela todos e quaisquer segredos?
Quando todo assunto lhe é atraente,
E você se derrama isenta dos medos?

Então, o perigo mora ai, seja reticente.
Tanto falso amigo esperando essa hora
De puxar-lhe o tapete... Disso ele adora!

Tantos Judas, Judas assim simplesmente.
 E desrespeitar a lealdade é o seu posto
São tantos que vem e lhe beija o rosto.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 11/12/14


segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Gosto-te

Gosto-te

Ainda que eu não saiba gostar, te gosto.
Com todo meu ser incluindo minh’alma.
Gosto mesmo e nada se compara; aposto.
É que me dá quietude e tira-me a calma.

Gosto-te sem nenhuma aclaração, ponto.
Ainda que estejas distante nada interfere
Faz minha alma sóbria e o coração tonto
Tanta vida em mim que de tudo se difere.

Sabe; eu gosto-te de forma imensurável
De um jeito só meu; por mim inventado
E por dentro de mim grita mesmo calado.

Só sei que eu gosto e é assim irrefutável.
E esse é o meu jeitão de dizer que te amo
Gosto-te em absoluto por isso proclamo.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 08/12/14

domingo, 7 de dezembro de 2014

Eu vivo de saudade

Eu vivo de saudade

E é tanta saudade que vive dentro de mim.
É tanta coisa boa que vive em mim e brota
Feito um pomar com fragrância de jasmim
Dá medo. _E se isso em mim alguém nota? 

Sabe; uma coisa meio louca, sem explicação.
Sabe uma teimosia que de mim não evapora?
Como se por dentro, de você fosse pichação.
Em minha veia você corresse sem ir embora.

Enquanto muitos morrem de saudade; vivo.
É só por você e não quero nada em permuta
Meu coração é assim, se joga de forma bruta.

Vivo de saudade, minh’ alma o fez meu divo.
Nem tento esquecer, até porque não quero.
Eu estou sempre aqui você sabe; eu espero.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 07/12/14


sábado, 29 de novembro de 2014

Espero-te

Espero-te 

E dentro de mim tem uma força que te chama
É a voz recorrente que te pede, nada substitui.
A alocução de um coração que realmente ama
Disso já sabia, é que meu ser no teu se conclui.

Esperei-te ontem, hoje te espero até o agora.
É certo de que amanhã também te ambiciono
Em mim fizeste um teto, dentro de mim mora.
Quantas esperas precisar, por ti, eu coleciono.

É que nessa espera eu tenho a tua companhia
Esvoaça por meu pensamento, corpo, coração.
Causa-me frios quentes, na tez louca sensação.

E espero-te, moras também em minha poesia.
Espero-te sempre, sem chances de me cansar.
E esperando vou exercendo esse meu te amar.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 29/11/14


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Duendes e fadas

Duendes e fadas

Eu queria vê-los, queria tê-los de estimação.
É que cresci; não os sinto mais encantados.
Nada restou só uma realidade da ilustração.
 Os sonhos da mente fizeram- se passados.

Não tenho mais aquela imaginação... Sei lá
Embora tendo uma menina dentro de mim
 E tudo tem mudado de uns tempos para cá
Até duvido de uns nãos; por parecerem sim.

O que resta é essa poesia que em mim mora
Essa que me deixa escrever até sobre o além
Então, pois é, essa que me faz assim tão bem.

_Duendes? Eu queria tocar-lhe o rosto agora
E que viesse à tona meu desejo mais inocente
Olho para o céu e papai Noel não é presente.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG  26/11/14


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Há dias...

Há dias...

Há dias em que me refugio no casulo de mim
Há dias que o que mais quero é ser borboleta.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG  24/11/14




domingo, 23 de novembro de 2014

Poesia lilás

Poesia lilás

Desconfio que a poesia seja lilás.
_Por quê?
_Nas asas dela me confio,
Tudo em mim se torna paz!

                     

Raquel Ordones

sábado, 22 de novembro de 2014

Viva agora

Viva agora

A vida é um processo irreversível, então viva tudo agora.
Para o ontem não tem como retroceder, só pensamento.
E do hoje para o amanhã tem o seu tempo, tem sua hora.
Então se jogue depressa, viva intensamente o momento.

Se tiver que abraçar, faça isso hoje e nesse exato instante.
Daqui a poucos minutos a oportunidade já fez sua partida
Se tiver com vontade do beijo, faça disso algo importante.
Não deixe que a alma amanhã se sinta um tanto dolorida

Diga que ama, dê flores, faça muitas surpresas boas, cante.
Deite-se no chão, dance feito uma boba, ria para o espelho.
Faça uma boa ação; troque seu batom nude pelo vermelho.

Se tiver vontade de dar pirueta, faça! Disso não se espante
Não se esqueça da oração e de preferência seja verdadeiro.
Ilumine-se no hoje como se fosse o seu minuto derradeiro.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG  22/11/14


sábado, 15 de novembro de 2014

Coisas que não quero

Coisas que não quero

Não quero tua ausência, a tua vista me importa.
Não quero teus lábios calados, careço do sorriso.
Não quero a tua mão distante, na pele conforta.
Não quero o desamparo do teu carinho, já aviso.

Não quero estar fora do teu pensamento e ponto
Não quero não estar nos teus sonhos e isso é fato
Não quero que nada te abale; só eu te faça tonto.
Que ninguém te poeme, somente eu faço relato.

E não quero que me esqueça, disso eu te proíbo.
Não quero que não me ligue; elejo a madrugada.
E não quero que silencie; gosto da tua barulhada.

Não quero que não olhe  meu decote e não inibo.
E não quero ser só mais uma, ou coisa do gênero.
Não quero ser tua flor, é algo um tanto efêmero.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG  15/11/14


segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Inexplicavelmente, o amor


Inexplicavelmente, o amor.

Sabe quando você quer se ofertar por inteira?
Ou você quer ficar acordada só para pensar?
Quem sabe dormir e sonhar junto à lareira?
Sei lá... Ou nas asas de um passarinho voar?

Sabe quando de repente você perde a fome?
Ou algo lhe faz comer uma caixa de bombom?
Quando por nada um impulsivo lhe consome?
Sabe quando você beija o espelho com batom?

Sabe quando você se torna sem limites, ilícita?
E sabe quando nada detém o seu sentimento?
Quando você acredita na lei do não sofrimento?

Inexplicavelmente é o amor, essa proeza bonita.
Esse sentimento: são, insano e temperamental.
Esse que cura e causa em você febre emocional.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 10/11/14



domingo, 9 de novembro de 2014

Quero-te

Quero-te

Por mais que seja mágica a chuva
Falta-me dos teus olhos, o feitiço. 
Raios de sol me vestem feito luva
Aspiro toque e bem mais que isso.

Por mais que sejam belas as flores
Nada se colaciona ao teu sorriso
Inda que noto histórias de amores
Simplesmente de ti que eu preciso.

Por mais que o céu seja ilimitado
Não se confronta ao meu anseio
Ostenta-me realidade e devaneio.

Quero-te dormida ou ser desperto
Tua vista em minha alma é forte
Dê-me rumo e extravie meu norte.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 08/11/14


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Intimamente

Intimamente

É que o desejo grita pela tez,
Procedente do poro do cerne.
E se repete, uma e outra vez,
Nada faz com que se hiberne.

No silêncio meu eu te precisa,
Como a flor necessita de água.
É que estar deserta me ojeriza,
E minha areia, desejo deságua.

Em sonhos uma brasa apavora.
O ansiar absurdo me consome.
Farragem de sede com a fome.

Querer que toda a alma devora.
Veste-me, despe-me... Apenas.
Insanas tempestades e serenas.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG  06/11/2014


terça-feira, 4 de novembro de 2014

Do lado de dentro

Do lado de dentro

E é tão bom a gente arredar os espinhos
E vasculhar as pessoas no fundo do peito.
E ver tantas flores a beira dos caminhos,
Amá-las, simples assim, além do defeito.

É tão bom quando a pessoa  nos permite
Enxergar sua essência através do sorriso.
É bom quando a sua vida à nossa insiste
E sua palavra dita parecer vir do paraíso.

Tão bom quando a pessoa à gente se doa
E faz de um ingênuo gesto, algo maioral.
Sabe quando essa pessoa faz da gente o tal?

Tão bom quando essa pessoa na alma soa,
Quando também arreda espinhos da gente;
Sabe, é tão bom a gente sentir esse quente!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG  04/11/2014 


domingo, 2 de novembro de 2014

...e gosto sim!


“É que eu te gosto, do meu jeito, 
Mesmo no meu silêncio. 
Mesmo não te pedindo pra ficar. 
Mesmo não olhando nos teus olhos. 
Mesmo não ouvindo a tua voz. 
Mesmo não fazendo mais parte dos teus dias. 
Mesmo estando longe, eu te gosto. 
E gosto mesmo. 
Ainda não sabendo gostar.”

Seu amor me dá medo

"Eu não tenho medo do amor.
Eu tenho medo é de amar quem tem medo dele.
Amar quem teme o amor é como se apaixonar por
uma sucessão de desistências.”  Marla Queiroz

Seu amor me dá medo

É tanto amor da boca para fora, fiquei arredia.
E agora vem você vertendo seus sentimentos
Jamais em minha vida embolsei tanta poesia
É que acreditei e tudo foi levado pelos ventos.

Se for para brincar com anseio, me deixe fora.
É que eu tenho uma cicatriz aqui no meu peito
É muito simples, vire as costas, vá-se embora.
Não precisa dizer nada vou entender seu jeito.

Sinceramente tenho receio, o seu amor é cedo.
Sofri; e hoje é tão pouca coisa que me comove.
“eu te amo” também é dito por ursinho de 1,99.

É por amar-me eu admito que tenho esse medo
Ao invés da rosa do amor foi me dado o espinho.
Se assim for melhor fazer sozinha meu caminho.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 02/11/13




terça-feira, 28 de outubro de 2014

Saudade de mim

Saudade de mim

... E quase sempre me pego distante de mim
Pois tem um riacho no dia-a-dia que escorre
Ligeiro feito vento que traz o olor do jasmim
A noite me adentra, o dia me finge que morre.

As pessoas queridas ficam nas pontes lá atrás
E já é amanhã, a semente tem outra estatura.
O trabalho me toma tempo e é sempre cartaz
Não consigo saber de cor nenhuma partitura.

Os amores encostam-se aos galhos nas curvas
Amigos me chuviscam, vez ou outra telefona.
Esse tempo, ah, esse passa então me detona.

E tantos afazeres fazem as meditações turvas
Saudade de mim, dormir comigo até meio dia.
Passear sem olhar relógio fazendo-me poesia.


ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 28/10/14
http://raquelordonesemgotas.blogspot.com.br/

domingo, 26 de outubro de 2014

Casa mal-assombrada

Casa mal-assombrada

De repente percebi tantos morcegos;
Vi sombras que pareciam vir do além.
Vi espectros soltos sem serem pegos,
Coisa que importuna e muito aquém.

Senti cadeiras se virarem contra mim
E vi janela que escancarava e sozinha,
Assisti as portas gargalhando carmim
Escutei voz que não sei de onde vinha.

Em casa mal-assombrada quase me fiz
Por aceitar em mim o que amedronta,
Tanta gente sinistra que me fazia tonta.

Limpei sótãos e porões, assim eu quis.
Arregacei mangas; tirei poeira funesta,
Alma limpa: ninguém se mete a besta.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 26/10/14


segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Então me senti...

Então me senti...

Hoje ao acordar refleti por alguns instantes
Orei, abri a janela e então olhei para o céu,
O vento tocou-me o rosto, bafos intrigantes.
O sol estava camuflado, de nuvens um véu.

E voltando para dentro de mim me vasculhei, 
Não sabia ao certo quantas almas eu possuía.
Os meus medos em uma esquina os encostei,
Percebi neles um breco e coragem eu sentia.

Pude escutar meu silêncio apesar do barulho,
Notei que a vida é um implexo de incertezas,
Que trocar saudade por presença é sutilezas.

Então me senti e senti-me tão eu, tive orgulho.
Vi que minha entrega é  total e sem cobrança.
E me senti, senti-me tão mulher e tão criança.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 20/10/14


domingo, 19 de outubro de 2014

é claro...


“É claro que devemos ter os nossos princípios
E é claro que podemos mudar de ideias, sim!
Mas nada nos impede de adequarmos às situações 
sem perder a essência."

Chovendo fino


Chovendo fino

Chegando a tua vida bem de mansinho
De pingo por pingo, que cai e entranha.
Tola e certa em conta-gotas de carinho
Buscando por um amor essa tal façanha.

Dia a dia fui dando meu carinho sem dó.
Doando tudo de mim sem nada em troca
Envolvendo teus cantos e limpando o pó.
Vertendo-me e mundificando toda moca.

Em silêncio garoando nessa tua ausência
Estilando bem fino com medo de te afogar
Chovendo a cada instante esse meu amar.

Tão finas minhas gotas e tanta frequência
Tão eu em mim e tão branda, o imo bravio.
Crendo que chuva fina pode transbordar rio.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG  19/10/14


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Sobre Amar

Sobre amar

Se eu quero amar? Essa é minha resposta:
_Eu quero amar sim e amar acima de tudo
Unicamente amar sem nenhuma proposta
Com grito silenciado e com discurso mudo.

Eu quero amar, aqui, depressa, muito além.
Na primavera e no inverno que a alma gela
Ou em qualquer estação que venha o trem
Quero amar ao vento, no concreto e na tela.

Amar ao sol soldado em ouro quase no céu
Na estrela vista pelos beijos no céu da boca
Quero amar em atitude sã ou na mais louca.

Quero amar nos dias cinza em noites de véu
Quero amar, desse que em lugar algum se lê.
Quero amar com toda minha acuidade, Você.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 16/10/14

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Ventania

Ventania

Aqui dentro de mim tem uma saudade bruta
Que junta meus pedaços que quase se fazem.
Feito uma ventania que com o empecilho luta
Vare tudo que é mau e boas coisas me trazem.

E dentro de mim tem algo desmedido e puro.
Tem uma imensidade que para você eu guardo
É como se as flores abrolhassem além do muro
É como se minh’alma despejasse todo o fardo.

Dentro de mim os ventos sopram a meu favor
As folhas ressequidas do meu passado se vão
Meu espaço se liberta do pó, limpa meu chão.

E dentro de mim tem a saudade do seu amor
Algo que não vivi, mas que vive e dá para ver.
Dentro de mim tem algo que se chama: você.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 14/10/14


domingo, 12 de outubro de 2014

Além da flor da pele

Além da flor da pele

E o meu carinho por ti alcança a estrela e dança
Em ciranda circunda a lua por vezes me faz nua
Na ponta dessa balança, uma força que avança.
O vento ateia frescor à pua palpável aqui da rua.

Meu querer por ti tendente muito mais absorvente
Escorre ao infindo de mim, em dispersão sem fim.
Na pele fogo é nascente e nos poros o sol caliente.
Brisa no olor do jasmim e toque de lábios carmim.

Além da flor da pele vi, nos versos dos ventos, li.
Há em mim um furacão ao sonhar com a tua mão
Na alma frisson de emoção que bomba o coração.

Em mim tem tanto de ti que transborda aqui e ali
Fator sem mando aparente que minha alma sente.
Sentimento independente, se perto ou se ausente.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 12/10/14


terça-feira, 7 de outubro de 2014

Cuide de mim

Cuide de mim

Se por acaso me encontrar pensativa
Nada questione, mas fique por perto.
Eu posso te precisar; pois me faz viva.
Cuide de mim com seu coração aberto.

Se me encontrar com sintoma abatido
É natural, nem tudo é um mar de rosa.
Não se preocupe, nem fique ofendido.
Não é com você essa origem chorosa.

 Se me encontrar a sorrir cuide de mim
Às vezes nesse minuto não esteja bem
Aparências? Essas enganam também!

E mesmo se não me encontrar, enfim.
Fique de olho e deixe a sua alma me lê.
Cuida de mim e me deixe cuidar de você.


ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 07/10/14

domingo, 5 de outubro de 2014

Quando vier

Quando vier

E quando vier eu quero que me traga:
O seu sorriso, o mais sincero possível.
Essa meiguice que de longe me afaga,
Seu olhar que faz sua alma acessível.

Quando vier traga o verde que almejo
De uma esperança que guardo comigo
E apresente-me o mais deleitoso beijo,
Traga seu abraço, me enlace em abrigo.

E quando vier porte sentimentos bons
Todos esses que me deixa transparecer,
Me encantam e de amor me faz chover.

Espero o seu inteiro, em carnes e tons.
Da mesma forma me doarei nessa hora,
Quando vier  deslembre de ir embora.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 05/10/14


sábado, 4 de outubro de 2014

Por que você?

Por que você?

Então, eu já procurei em todos os lugares.
Fucei várias vezes os porquês existentes,
Criei alguns porquês sob o sol e sob luares,
Sem porquês que me fossem convincentes.

Andei por estradas em constante reflexão,
Indaguei várias pessoas no intuito da ajuda,
Até entrei com recurso para santo e oração,
Todos os porquês que vi tinham fala muda.

Olhei dentro de mim com os olhos do imo,
Em todos os cantos e paredes do meu ser,
Cansei e no canto do sorriso fui adormecer.

Decide não mais caçar porquês fui ao cimo.
Ainda que achasse não me daria por satisfeita
Por que você?_Sua vida pela minha foi eleita.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 04/10/14


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Visceral

Visceral

Há uma fome que engole
O gosto de carne rasgada
Por  todo o corpo se bole
A pele na outra esmagada.

O fogo que arde, entranha.
Cio que se promulga, grito.
Vontade que a tez arranha
Suor e perfume em atrito.

Há um lacre que é violado
O movimento sem sossego
Um tanto animal, labrego.

Um ir e vir e estar deitado.
Um galopar que esbraseia
Escorre da alma e da veia.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 02/10/14


quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Arroubo

Arroubo

Nos espaços ao meu derredor te sinto
A tua imaginada fragrância me dá asa
Olor amadeirado e quem sabe absinto.
Torna-te meu chão e teto, minha casa.

Na nuvem saltito textura algodão doce
Tão vaporosa me torno, pueril coração.
É como se sinceramente voar eu fosse
E escorregar no arco-íris sem corrimão.

O vento me oscula, beijada enlouqueço.
De ponta-cabeça faz-se a perfeita visão
Desenha-me e se junta a essa retratação.

Ensaio, esse voejar em absoluto obedeço.
Então eu vivo no mundo da lua que criei
A causa?_ é que a tua presença respirei.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 30/09/14

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Núpcias

Núpcias

As minhas linhas adentram em branco, vestidas.
Os teus versos me esperam bem trajados no altar
As minhas linhas levam nas mãos flores coloridas
E os teus versos as minhas entrelinhas a espreitar.

Minhas linhas expressam o juramento sem medos
Os teus versos esse mesmo juramento pronuncia
As minhas linhas estendem as mãos e seus dedos
E os teus versos põe a aliança e com beijo acaricia.

Minhas linhas; a expressão abissal da minha alma.
Nelas é exprimida uma verdade, a minha essência.
A espera da bênção, muito amor como penitência.

E os teus versos se mostram felizes e batem palma
E beijam a testa das minhas linhas, já abençoados.
Teu verso,marido.Minha linha, mulher:declarados.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 28/09/14

sábado, 27 de setembro de 2014

Se eu invadir teu sonho


Se eu invadir teu sonho

E que seja acordado, isso pouco me importa.
E se minha imagem te desvia o pensamento
Se me vê em teu caminho ou atrás da porta
Se acaso te pegares por instantes, ciumento.

Se distraído inventa em mente meu perfume
Se por um segundo me vê no rosto que passa
Inda sem conhecer-me, nos teus olhos o lume.
E com eles fechados toda a tua tez me abraça.

E se de repente passou a curtir o que eu gosto
E se a tua atração é muito além dos carnais
E se dormindo me desvirtua à lugares abissais.

Mas essa beleza é abstrusa, ainda não aposto.
E é muito pretensão sentir-me por ti apetecida
E se eu te invadir assim, me puxe para tua vida.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 27/09/14


quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Fascínio


Fascínio

É que aqui dentro tem uma euforia
que arrebata.
É um gostar que não se satisfaz,
quer muito mais.
É um jeito gostoso de misturar
a alguém.
Uma alma vibrante com coragem
de  entrega.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 24/09/14

sábado, 20 de setembro de 2014

Sapato de verniz

Sapato de verniz

Ouvi o bater na porta, caminhei e fui abrir
Rosa e perfume surgiram em minha frente
Por detrás delas, eu vi o seu perfeito sorrir
Lindos pensamentos varreram minha mente.

Jogada naquele lençol, macio como algodão
O perfume de lavanda, baralhando se à pele
O palpitar célere e desordenado do coração
Sua figura de pé, não exista quem não gele.

Um beijo, as mãos pelo corpo a escorregar
Um gemido, um arrepiar, e roupas no chão
Gostos, cheiros, e desatinos soltos pelo ar.

Debruçados no extermínio dessa saudade
Com lençóis alvos e amassados eu sou feliz
Inerte, coberta só com meu sapato de verniz.

ღRaquel Ordonesღ 
Uberlândia MG 


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Meu eu poético

Meu eu poético

Na profundeza de mim há sentimento
Que superabunda; é percebido na tez.
Os versos nascem sem consentimento,
Aí escrevo, escrevo e escrevo outra vez.

É que tenho poesia por todas as partes,
Há quem já a viu por entre meus cabelos
Foi vista nos meus olhos, sorrisos artes.
E em meu silêncio, de joelho em apelos.

E às vezes sou poesia longe do estético
Perdemos-nos e nos achamos entre nós,
Somos amistosas e nunca estamos a sós.

Meu eu poético rima com o eu patético
Acontece que não estou nem aí para isso
Eu e a poesia somos insanas em rebuliço.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 18/09/14


quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Cabana de sonhos

Cabana de sonhos

Fazia sol e eu não sabia se escrevia com rimas
Mas de repente me lembrei de que você gosta
E eu olhei para o céu, me vieram vários climas.
Mas a chuva foi escolhida e foi minha aposta.

Fechei meus olhos e senti as gotas imaginárias
O cheiro da grama entrava em minhas narinas
E do mundo desapareceram todas as luminárias
Com os pingos valsei como borboletas meninas.

E tinha um pecado no ar, um desejo vermelho
E a aragem transportava o seu cheiro instigante
Que martelava em minha mente a todo instante.

Ergui as mãos em direção ao infinito e de joelho
Em pensamento fizemos amor só à chuva engana.
Era sonho, lembrei que me ergueria uma cabana.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 16/09/14

terça-feira, 16 de setembro de 2014

_Se eu quero te esquecer?

_Se eu quero te esquecer?

Só porque eu não te tenho ao meu lado?
Porque à distância me impede de te ver?
Há uma ânsia que faz meu íntimo calado?
O esplendor que faz sol em mim, nascer?

Só porque estou vivendo numa saudade?
Há uma euforia de sentimento que grita?
É só porque todos acham que é maldade?
Só porque o meu coração pelo teu agita?

Só porque o teu tempo não bate ao meu?
Só porque a minha idade é desigual à tua?
Só porque és sol da noite, do dia sou lua?

Só porque o teu imo a alguém já pertenceu?
Só porque não há plenitude em meu coração?
Se eu quero te esquecer? _ a resposta é não!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 14/09/14