domingo, 18 de junho de 2017

Nó de desejo

Nó de desejo

Em nós, laços, perfumes, borboleta.
A Julieta e Romeu sem venenos.
Pequenos: Vada e Tom, e não te meta.
Na maleta Bonnie e clyde; plenos.

 Son buenos, Juan que o amor não Evita.
 Negrita Jack e Rose, Titanic.
Chique, Sam e Molly em vida infinita.
Lolita é aceita sem chilique.

E salpique-me; adube em sentimento,
Vento uivante me torna tão invadida.
Margarida e Donald em doce alento.

Ostento esse querer, alma sentida,
Vertida de desejo com aumento
Esquento-te, ferve-me, tez sorvida.

ღRaquel Ordonesღ #ordonismo
Uberlândia MG 



quinta-feira, 15 de junho de 2017

Sonh(a)ndo


Sonh(a)ndo

Minha alma hílare, seu pensar libera,
Primavera de anseios, uma fonte,
Há um monte de ideias, sem espera,
Numa mera demência; excede a ponte.

Conte-me caso tenha a explicação,
O coração que tudo gerencia?
A poesia é razão ou emoção?
E a sensação porque ora esquenta e esfria?

Dia é pouco, à noite reponho,
Medonho, pois dormir é uma inércia,
Há controvérsia se esse feito oponho.

Risonho o vi, talvez uma solércia?
Peripécia me faz; cinjo, proponho,
Sonho ser sua; Camões e Natércia.

ღRaquel Ordonesღ #ordonismo
Uberlândia MG 

terça-feira, 13 de junho de 2017

Pintando um soneto


Pintando um soneto

É matiz solar para todo lado,
Vermelhado retrata uma paixão,
No chão papel, sentir alaranjado,
É rajado arco-íris coração.

Coloração da paz de norte a sul,
Azul, céu do poema com negrito,
Cito: verde esperança de Cabul,
‘Wanderfuul’ estrela no infinito.

O rito: tinta, mão, pincel, soneto,
Em preto nem um ponto, claro vento,
Firmamento lilás brilha quarteto...

E no terceto, em rosa o pensamento,
O cinzento não tem ‘tá’ em sueto,
Um dueto entre as cores e meu alento.

ღRaquel Ordonesღ #ordonismo
Uberlândia MG 

A corda no pescoço

A corda no pescoço

Brasil, gigante frouxo e sedentário.
Um armário de ratos, podridão,
A oração é dinheiro e pão diário,
Escapulário é pisado, chão.

A facção é quem dita o cabeçalho,
E se é falho, não adiante fé,
Não dá pé, no sistema me embaralho,
É sem atalho até o rodapé.

Qual é?  Fora essa tal demagogia!
Anarquia em palavra que tapeia,
É teia capciosa. Ludibria.

Desconfia-se que isso está na veia
Areia movediça a fundo enfia,
_Confia não, com cão isso se pareia!

Raquel Ordonesღ #ordonismo
Uberlândia MG 


terça-feira, 6 de junho de 2017

Simultaneamente nós

Simultaneamente nós

Tem um vento que assopra aqui no peito,
Sujeito levanta uma poeira fina,
Adrenalina punge, mas aceito,
É leito de escorrência cristalina.

Menina sou, cabelo desalinha,
Entrelinha ventada se revela,
Amarela o ouro à víscera minha,
Que se aninha à alma ou sentinela.

Anela-me inquebrável a corrente,
É mente; que não mente coração,
Razão que causa, apenas docemente...

Demente até, chega ser incoerente,
Conjuntamente nós em conexão,
Ação original, rara, cabalmente.

Raquel Ordones #ordonismo
Uberlândia MG