domingo, 29 de dezembro de 2013

Guarde-me em tua chuva

Guarde-me em tua chuva

Quero os teus pingos, cause-me chuva
Umedeça-me por quereres  gigantes
Ajeite-se e se vista em mim feito luva
Garoe- se em desejo em todos instantes.

Escorra em mim enxurradas pela pele
E irriga-me de ti; tuas vontades e boca
Lave minha alma, corpo: aqueça e gele
E em gotas de arrepios faça-me louca.

Sorva as minhas gotas e chova em mim
E me faça dilúvio de anseios que goteja
Acaricie-me ao vento e então me beija.

E guarde-me na proteção de teu amor
Abrace-me, embale-me na úmida brisa
Sinto-te em pluviosidade que me alisa.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 29/12/13


quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Não sei muito de você


Não sei muito de você

É... E de você eu sei muito pouco
Mora longe e mora dentro de mim.
Sei da sua sanidade e do lado louco
Às vezes flor de cactos, ora jasmim.

E assisto você de longe e é tão perto
Sinto um calor tremendo em seu “oi”
E às vezes para mim de braço aberto
Ora nada entendo, nem sei o que foi.

Deixo você à vontade e em liberdade
Isento a cobrança, do seu jeito aceito
Quero do seu carinho fazer meu leito.

Não sei quase nada de você e é muito
É o suficiente para lhe querer tão bem
Não sei muito, não troco por ninguém.

ღRaquel Ordonesღ .
Uberlândia MG 26/12/13

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Medo de amar

Medo de amar

E de repente alguma coisa entra na gente
Não se sabe por onde, o corpo todo atinge.
É uma mistura com frio, de repente quente.
É um tanto que se demonstra, jamais finge.

O sol, a lua, as estrela, o ar entram em nós
E de repente a sensação é de uma baderna
Um medo invade querendo fazer disso pós
Mas nada, o amor abarca, explode, hiberna.

E o medo, coitado! Só tem o nome de medo
Porque o amor aos poucos o incumbe ceder
E de repente o semblante derrama em ledo.

O medo de amar arrisca existir e logo morre
É uma força em covardia que não se aguenta
E é sempre asfixiado quando o amor escorre.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 16/12/13
http://raquelordonesemgotas.blogspot.com.br/

domingo, 15 de dezembro de 2013

Eu desejo

Eu desejo

Desejo chuva nos nossos quintais
Lua flicts e estrelas no nosso céu
Roupa alvejada em nossos varais
Olhos para enxergar além do véu.

Tragamos com o verbo, afinidade.
Que tenhamos de posse boa ação
E profiramos somente a verdade
Que a boca seja porte do coração.

Desejo o toque que traz o arrepio
E sonhos bons se façam presentes
E desejo amores e beijos quentes.

Desejo força, fé e pés para seguir.
E em oração a Deus, mão erguida
Anseio poesia e cura para a ferida.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 15/12/13


quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Junto de ti

Junto de ti

Quero me aproximar bem perto de ti
A ponto de ouvir do silêncio a sua voz
Mesmo distante que esteja bem aqui
Que o meu e o seu eu, diluam em nós.

Que em cada palavra o sentir eu sinta
E que foraja a ilusão que a dúvida cria
Que a expectativa não é como se pinta
Não a permita demudar para uma azia.

Em teu rosto percebo a tez do carinho
Em teus cabelos eu sinto que há beijo
Em qualquer lugar há chispo de desejo.

Junto de ti é esse o espaço que quero
Nele caibo com a exatidão de entrega
Lá o nada é tudo, é onde o amor prega.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 11/12/13


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Metaforicamente: o amor

Metaforicamente: o amor

E assim vejo e sinto o amor em seu alargamento
Feito mar azul; ora verde, ao alcance: esperança.
Em ondas brandas ou em fortes feitas pelo vento
Nos cais por medo aportado e em longa andança.

E assim assisto e sinto o amor em sua intensidade
De pingo em pingo feito a chuva molha o mundo
Num dimanar-se que estruma a menor cavidade
Inventa um solo muito mais abastado e fecundo.

E assim fecho os olhos à ser tocada por esse amor
Está descrito com perfeição no sorriso da criança.
E é tão simples senti-lo e lê-lo pela sua confiança.

Assim me sinto diametralmente feita desse amor
E em cada minúcia de mim tem íntegra essência
Pois há tanta coisa quem vem antes da aparência.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 08/12/13


domingo, 8 de dezembro de 2013

É muito amor

É muito amor

Escorre pelos poros tanto afeto
Vibra a tez de amor umedecida
Prova que sua alma é meu teto
É amor, mais amor em sua vida.

Amor todo tanto, assim dimana
E palavras que compõem verso
Um fluir em imaginação insana
Um virar-se totalmente inverso.

E é amor que dentro não cabe
Pregado nos varais do meu ser
Amor que até o amor não sabe.

É aceito, o amor é sem rejeição
Se sentido é caminho sem volta
E é o que dá história ao coração.

Raquel Ordones

Uberlândia MG 06/12/13

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Moramos em livros diferentes

Moramos em livros diferentes

E me vejo nas páginas de um romance
Desses misturados a aventuras loucas
E me encontro tão feliz em cada lance
Com olores; e as flores não são poucas.

Me pego em meio ao verde da campina
E nos riachos com as águas refrescantes
E nas escadas do castelo tal qual menina
Vento desalinhando cabelo, esvoaçantes.

Saltito letra por letra e palavras da folha
E tem gosto, tem fragrância e tem toque
E as matizes são todas de minha escolha.

Corro pelas páginas em qualquer estação
Busco tirar você da mente para realidade
E não o vejo, é distante no livro da ficção.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 05/12/13


domingo, 1 de dezembro de 2013

Teus arquivos

Teus arquivos

E nas tuas gavetas guarda amores
Guarda tristezas e guarda sorrisos
Guarda em teu profundo, coisa tua.

E em tuas ágapes em teus cálices
Em vermelho batom carne e cor
Em verso que descreve histórias.

Teus arquivos, backup de passado
Paredes com fotografia de mulher
Amada que foi amada e não amou.

E beijo que não foi dado, e secou
Vestes caídas, sabores de vinhos
Corpos nus escrevendo entrelinhas

Os olhos se fechando em entrega
Frissons na pele e marca vivência
Poesia se faz canção no momento!


ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 30/11/13


terça-feira, 26 de novembro de 2013

Sorva e se deixe sorver

Sorva e se deixe sorver

Silencie; nada diga se não sente.
E a palavra nada prova, ludibria.
O amor se provado é tão quente
Só falado, bebedeira que esfria.

Absorva; extraia da alma o gosto.
E engula o que escorre pela tez
Saboreie todos os goles do rosto
E devore uma, duas e outra vez.

Sugue a última gota desse anseio
Em cálice de encarnada essência
Mostre-se taça de transparência.

Deguste esse amor e as palavras
Nos versos sentidos lamba a cor
Embebede-se nesse denso sabor.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 26/11/13


sábado, 23 de novembro de 2013

O que já foi

O que já foi

Tristezas talvez
Alegrias muitas
É sem esquivo!

No coração e tez
Escrito na mente
Em nós é arquivo!

E é tão atraente
Sempre se volta
Penetra o porão.

Não é pertinente
Não cabe revolta
Só é recordação.

Não se vive mais
Pois lá eu já fui
A poesia é agora!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 23/11/13


Fernando Pessoa – o que se sente exige o momento.

Robótica

Robótica

Com tudo na mão, a preguiça evidencia.
Sem vontade para pensar, o ser aniquila.
Aperta tecla, cola imagens e ideia copia.

Em nada força; está gravado na agenda
Há desordem entre ferramenta e artilharia
Vê a vida passar olhando por uma fenda.

Tão sem conteúdo, simplesmente vazio.

Tem um mundinho seu: painel tão frio!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 23/11/13


Leve os jovens a enxergar os singelos momentos- Augusto Cury



sexta-feira, 22 de novembro de 2013

(Poe minha)


(Poe minha)

(Poe minha) mão nos teus cabelos
Em tua face, teu céu, tuas estrelas
Deixe-me sentir tua cor!

E (poe minha) cor acoplada a tua
(Poe minha) borboleta em tua flor
A sentir tua fragrância!

(Poe minha) fragrância em tua tez
E preciso que teu gosto me possua
Num ato de degustar!

E (poe minha) amostra à prova tua
E (poe minha) boca nos lábios teus
Encha-me de porções de ti!

(Poe minha) alma toda desnudada
De sentimentos que são só para ti
(Poe minha) vida toda à tua inteira.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 22/11/13


quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Tudo veio à tona

Tudo veio à tona

Ali estava teu ser, surgido do nada
Adentrou aquela janela; vi teu riso
A tua palavra entrou e direcionada
Fez-se em mim teto, parede e piso.

Cingiu-me de tão deliciosa muralha
Cultivou em mim flores dormentes.
Deu-me perfeita gota, e nada falha
Teus ares de eriço: frios e quentes.

E no dia tornou-te cobiça acordada
No anoitecer devaneei ser a tua lua
Inebriei-me em ti pela madrugada.

Ser tua flor: agradas a fragrância?
E ser teu sol: ofusco-te teu brilho?
Só queria ter para ti, importância!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 21/11/13


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Vive em mim

Vive em mim

E vive em mim uma primavera
Com pétalas, cores e perfumes
Cada uma das flores te espera
E no hall letreiro de vagalumes.

Vivem em mim vários canteiros
Talvez todos viventes no mundo
Nos setembros ou nos janeiros
Colorem de jeito tão profundo.

Algo existe; e é assim tão belo
Só é; sem qualquer explicação
E estacionou aqui essa estação.

Meu sentir resistirá ao inverno
No banho de chuva eu almejo
O meu beija-flor e o meu beijo.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 18/11/13
http://raquelordonesemgotas.blogspot.com.br/

domingo, 17 de novembro de 2013

Eu sou a esperança

Eu sou a esperança

E se tudo me parecer arruinado
E se me furtarem a perseverança
Se do orbe eu ficar desencaixado
Preciso crer, eu sou a esperança.

E se o caminho parecer tortuoso
Se lágrima cair da minha criança
Se o adulto de mim for orgulhoso
Preciso crer, eu sou a esperança.

Se a minha flor tende emurchecer
Se eu tropeçar na minha andança
Preciso crer, eu sou a esperança.

Em minha essência algo invisível
Devo empunhá-lo e ter confiança
É minha fé, sou minha esperança.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 17/11/13


sábado, 16 de novembro de 2013

Amar

Amar

É tocar com carinho o rosto
É voejar sem asas no espaço
Conhecer o beijo com gosto
É comportar o nó do abraço.

Guardar palavra inesperada
Enxergar nos olhos o brilho
Impecavelmente adulterada
É perder e achar-se no trilho.

É fechar os olhos num sorriso
Seduzir-se com desconhecido
É confiar o coração se elegido.

É fazer de um quarto, o mundo
É guardar as noites na saudade
É fazer do mínimo: felicidade!

Raquel Ordones
Uberlândia MG 16/11/13


sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Distância


Distância

Entre o aqui e o ali há um espaço
E sem a atitude não será galgado
E há cor que não auxilia no passo
O tom cinza deve ser descartado.

Cinzas assopradas desse percurso
A brasa que aborta a oportunidade
Aporta a sociedade o seu discurso
Arranca em vermelho a igualdade.

E o sonho? Esse é de toda a gente
Às vezes é medonho seu caminho
Dificultam-lhe a ler o pergaminho.

Distância se faz assim tão distante
Ambição, propriedade e obstáculo.
Exonera Deus, foge o sustentáculo.

Raquel Ordones

Uberlândia MG 15/11/13

Aparentemente

Aparentemente

Tenho o rosto cansado
Tenho lágrima que salta
Momentos de desgostos
Em círculo sempre vem!

E às vezes a face faceira
O sorriso que escancara
Felicidade que não cabe
Em círculo sempre vem!

O que dói não é de mim
Vem de fora e me invade
Despetala o meu jardim!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 15/11/13

Abra a janela

Abra a janela

Já é outro dia, olha só!
E a semente já nasceu
Em instantes será flor
E nem isso você notou!

Abra a janela do seu ser
Aceite que a brisa entre
E assopre a sua poeira
Mundifique a sua alma!

Há cores além do preto
Há essência estampada
Há calores nos abraços

Há claridade em chama
Destranque seu coração
Acolha os raios do viver!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 15/11/13

sábado, 9 de novembro de 2013

Estou a procura

Estou a procura

De sorriso com mais verdade
Do carinho com toda certeza
Da nobreza vestindo coração.

E da verdade mais sorridente
Da certeza do doce acarinhar
Do coração com alma nobre.

Caço o beijo com todo gosto
A tez que encrespa ao toque
E do corpo que pede calado.

Do sabor dos lábios beijados
Do contato que a pele abala
Do silêncio dos corpos depois.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 09/11/13

Vote em mim

Vote em mim

Sem juramentos e sem pressa
E o interesse? É só nosso bem
Vote em mim, e vamos nessa
Só pronuncie-me o seu amém.

E diga-me que sou a sua eleita
Governaremos nossos corações
Que seja a democracia perfeita
E sem demagogias, só emoções.

Vote em mim com  sua verdade
Subiremos ao palanque da alma
Passo a passo, tudo com calma.

E construiremos um dia por vez
Que seja esse o nosso mandato
Eu, você, o amor, felizes de fato!

 Raquel Ordones
Uberlândia MG 09/11/13


domingo, 3 de novembro de 2013

Minha alma se joga

Minha alma se joga

Então toda a minha alma se manifesta
Externando em forma de sentimentos, 
Minha mão dá uma mão e se empresta
É risco, é rabisco de versos aos ventos.

É uma fantasia tão forte, quase sentida
São pensamentos que até tem perfume
E misturam-se em uma realidade vivida,
Quase tem gosto, tem toque, tem lume.

Assim sou eu de alma jogada em poesia
Desvestindo-me além de lenço e sapato,
Tudo que de mim emana sou eu de fato.

Não sou poesia; e ela tem muito de mim
Sou verso torto, sem coerência, o normal,
Minh’alma tenta não parecer superficial.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 03/11/13

domingo, 27 de outubro de 2013

Inconstâncias de mim

Inconstâncias de mim

E no meu sim muitas vezes digo um não
São coisas de momento, até volto atrás
E às vezes clara e outras vezes escuridão
Às vezes abatida e no instante sou capaz.

Ainda certa do amor às vezes eu duvido
Às vezes tenho medo; fala alto o desejo
Às vezes toda certeza e ora imo dividido
E às vezes me sinto cega e ora tudo vejo.

Às vezes quero alvo e de preto me aceito.
Às vezes quero tudo, às vezes quero nada
Sou perfeita aos olhos do Pai, sou defeito

Às vezes prefiro blush, às vezes os batons
Às vezes eu não me percebo, sou silêncio
E às vezes me sinto o mais altivo dos sons.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 27/10/13


sábado, 26 de outubro de 2013

Sou concerto

Sou concerto

Quem sabe exista em mim todas as notas,
E todos os tons, sons e todas as melodias?
E talvez seja um hino que de dentro brota,
Quem sabe poucas palavras em harmonia?

E quem sabe o som do pandeiro barulhento?
Ou dos tambores que batem bem no fundo?
E das harpas contagiantes com rumor lento?
Ou talvez o violão com sonzinho vagabundo?

E quem sabe exista em mim o som da cuíca,
Essa que berra e arrebenta nalguma ocasião?
Quem sabe o som do piano em sofisticação?

Em cada momento tenho um som especifico
Só não sei se me apresentei com todo acerto
É que sou combinação, me vejo um concerto.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 26/10/13

https://www.facebook.com/raquelordonesemgotas?ref=hl

E me jogo sim

E me jogo sim

E comporto-me de forma intensa
Execro o estado em cima do muro
Muitas vezes aos erros; propensa
E é nesse mergulhar que me curo.

E se quero, simplesmente: quero
E existe em mim algo extremista
E se não quero está dito, e é vero.
É que dá minha vida sou o artista.

Eu gosto da liberdade que prende
E desse livre ir e vir sem exigência
E nela me instalo com frequência.

Apego-me a sabores e fragrância
E na essência que causa sensação
É por isso que me jogo de coração.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 26/10/13

https://www.facebook.com/raquelordonesemgotas?ref=hl

Porções de mim


Porções de mim

E em cada frase que escrevo
Lá estou eu toda derramada
Inspiração em mim é enlevo
E a poesia se faz tão sagrada.

Um verbo fala muito de mim
E posso estar em um adjetivo
Quem sabe o reverso sem fim
E na entrelinha: meu objetivo.

Escrever é junção de pedaços
O amontoado de livres letras
 Dos meus cacos em abraços.

Escrevo , escrevi e escreverei
Vinculo com a escrita meu ser
Caso parta; inda assim ficarei.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 26/10/13

https://www.facebook.com/raquelordonesemgotas?ref=hl

Pose

Pose

E se mostra assim bacana
Não tem onde cair morto
Acha que viver é só grana
Que a luxuria é um porto.

E se mostra em uma roda
Como se fosse maior, top
E se achando muito foda
Causador de muito ibope.

E tudo que faz é o melhor
E tudo que sabe é certeiro
E há constante paradeiro.

Quando só, se sente caco
Sombrio com má intenção
E nas escuras passa a mão.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 26/10/13


segunda-feira, 21 de outubro de 2013

E se eu fosse um poema


E se eu fosse um poema...

E se eu fosse um poema, queria ter saído dos teus dedos
Através dos fios de letras em palavras vindos do coração
Eu queria expor nas minhas entrelinhas os teus segredos
E até desejaria ser as tuas lágrimas palpitadas de emoção.

Ser a flor de semente, com brotos dos teus sentimentos
Queria ser no papel tua essência em nuanças vermelhas
A fragrância que encachaça trazida em meios aos ventos
E queria ser a labareda da tua tez em frisson e centelhas.

Nas cordas dos teus cabelos, o toque e as notas cantadas
E queria ser as tuas curvas contornadas em branca folha
E o teu olhar a me entorpecer em entrega e sem escolha.

Queria ser cada verso do teu universo em insanos desejos
E queria ser o poema com teu corpo, teu coração e alma
Ser o teu ápice de vontades e teu bambo com toda calma.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 21/10/13


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Entrega


Entrega

E o vento leva, o vento traz
O galho dança no momento
O verde em cores se desfaz
Flor arreda do pensamento.

É dia, o sol novamente vem
Vem a tarde, e a noite chega
E amores no meu galho têm
Eu gosto de neles ser pega.

Então me doo para o amanhã
E abro a mão para alcança-lo
Com cheiro e gosto de maçã.

Borboleta se perde no orvalho
E eu permaneço em meu dia
Sou flor de cheiro nesse galho.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 17/10/13

https://www.facebook.com/raquelordonesemgotas?ref=hl

Escolhi ser eu

Escolhi ser eu

O caminho tem espinho, e resolvi encarar.
Busquei desvencilhar-me, ainda que ferida
Fechei meus olhos e deixei o meu ser amar
Doei-me e então não mais me senti perdida

E nas folhas verdes da esperança eu me fiz
Em lições escritas em orvalho matei a sede
Em dia sem chuva eu quis molhar-me a raiz
E nas noites de corpo cansado; eu fui rede.

Aprendi em cada momento a ser mais eu
Ensinei-me a dar o melhor que em mim via
Desvendei que em minha veia corre poesia.

Pouco a pouco, passo a passo, um por vez
Vou me arriscando na noite e amanhecer
E assim estou e vou sendo o que quero ser.

Raquel Ordones
Uberlândia MG 17/10/13


terça-feira, 15 de outubro de 2013

Lendo em azul


Lendo em azul

Linhas e entrelinhas azuis; leio no céu
E o mar se faz poesia no mesmo tom
Minha alma uma inquietude em véu
E um arco-íris sorri com o seu batom.

E o azul é de imensidão inenarrável
O silêncio borbulha no ruído da onda
Há nas gotas um barulho incalculável
Há um equilíbrio na chuva que ronda.

E o meu olhar não é azul, mas reflete
Um manto que o céu cobre toda terra
No dia de hoje e no amanhã se repete.

Nuvem aqui, nuvem acolá, se mistura
O azul prova e em azulado se encerra
É verso em mar e lá adiante na altura.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 15/10/13

https://www.facebook.com/raquelordonesemgotas?ref=hl

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Recordações

Recordações

Ali estão elas soltas, presas na essência.
Num vai e vem... Leves em redemoinho
Lançam em pensamento com insistência
Coevas sempre, novamente no caminho.

Feito criança; brincam de pique esconde.
Ora se calam, ora não esperam o contar.
Aparecem sem saber por que e de onde
E está na profundeza num eterno morar.

No muro da memória retratos impressos
Videoclipes que reprisam o que já fomos
Expedem à nosso presente o que somos.

Recordações são assim, crianças perenes 
Cruzando ventos e desfazendo-se tranças.
E arquivadas no cerne, malas de heranças.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 13/10/13

https://www.facebook.com/raquelordonesemgotas?ref=hl

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Composição de Deus

Composição de Deus

E somos assim um poema incompleto
Lançados no mundo em branco papel
Dia após dia com nosso jeito inquieto
Letra por letra e nem sempre se é fiel.

Às vezes escrevemos perfeitas rimas
Outras vezes não existe concordância
Às vezes nos portamos feito meninas
E outras vezes adulto com arrogância.

Poema errante, somos; e nada apaga
Inda assim Deus nos dá outra chance
Indulta-nos, sofremos com esse lance.

Tentamos manter a linha reta, enfim
Mas há quem sempre vive em dilema:
_Ser ou não ser de Deus belo poema?

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 10/10/13

https://www.facebook.com/raquelordonesemgotas?ref=hl