terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Teu amor


Teu amor

Pela janela dos teus olhos eu pude ver
O que ali foi exposto não era verdade
O sentimento fosco difícil de entender
Lustre que não revela a real claridade.

E na tua boca o verbo só a perambular
Viajando a esmo sem nenhum sentido
Expressão sem nexo só a me perturbar
Um embuste no que me era oferecido.

Por vezes me perdi em meio à balela
Sei que não é o certo, porém fraquejei.
Eu assumo que caí, mas já me apanhei.

E apenas uma coisa eu tenho a te dizer
Se não há intento de amar, não atente.
Jamais diga a alguém o que não sente.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 19/02/13


Nenhum comentário:

Postar um comentário