quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Acada amor, seu tempo


A cada amor, seu tempo

Não se atropela um amor
investindo em outro amor.
Tudo tem seu tempo e espaço
O máximo que se consegue
é se enganar por algum tempo
Nenhum tipo de amor é substituível
E todos os tipos são necessários.
Sentimento que jamais acaba o que
acontece são outras pessoas
que evidenciam em nós!

ღRaquel Ordonesღ .
Uberlândia MG

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Escritos de mim


Escritos de mim

Surge palavra, frase, pensamento e texto.
Difícil mesmo é não expô-los em um papel
Hipotéticos em dar a cada um seu contexto
É matéria estendida, cobre-me feito o véu.

Assunto conhecido se torna fácil discorrer
Nos assuntos incógnitos preciso expandir
Não posso qualquer coisa assim escrever
Existe escrito e existem escritos a discernir

Eu posso até arriscar ousar definir o amor
Parece tema fácil, contudo é indescritível.
O leitor pode achar que é imagem ilegível.

Escritos de mim, sou eu escorrida em tinta
Sou eu também em cada tecla que aperto
A cada enter que dou, sou coração aberto.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG

Gerundiando


Gerundiando

Pregando o prego, o sentiu soltando
Rachando a parede, caindo uma foto.
Quebrando moldura, efígie rasgando
Gota em gerúndio, chorando devoto!

Atravessando aquele muro, atrevido.
O prego calhando e rolando pelo chão
Calando e sentindo assaz o ocorrido
Adentrando pela rachadura do porão.

Tendo um guia e acendendo lampião
Saiu procurando, olhando nos cantos
Não o deparando para seus espantos

Prego se perdendo, foto se anulando.
Repartindo o imo; chorando devoção.
Ajoelhando e orando sem representação!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 27/02/13


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Às vezes um abraço é tudo


Às vezes um abraço é tudo

Sabe quando você se sente só na multidão?
Ou quer caminhar por uma estrada sem fim?
Quando uma conversa baixa é um turbilhão?
Ou não entende a diferença entre não e sim?

Sabe quando você se sente sem importância?
E tudo o que você faz em nada surpreende?
E quando o espelho a você não dá confiança?
Quando parece que o mundo não lhe entende?

Sabe quando a lágrima vem e pelo rosto corre?
E sabe aquele dia que do quarto não quer sair?
Que nem um palhaço consegue lhe fazer sorrir?

Então, esse momento sempre existe no coração
Creio que nós mesmos nos impelimos no espaço
E tudo que carecemos é do silêncio e do abraço.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 25/02/13


domingo, 24 de fevereiro de 2013

Queria ter asas


Queria ter asas

Corri atrás das borboletas, elas partiram.
Tão rápido e tão levemente, me invejou
E num vai e vem de asas... Elas sumiram
E em minha alma alguma coisa se tatuou

Com essa leveza meus olhos se fecharam
Quase senti os meus pés saírem do chão
Meus braços; os ergui; ventos os alçaram.
Envolvi no abrir de asas do meu coração.

Senti uma aragem beijando o meu rosto
Trazendo consigo um aroma bom da flor
O néctar no cimo do seu delicioso sabor.

E de repente eu abri os olhos, cai em mim.
E vi ao meu redor as borboletas voejando
Imaginei: será que elas estão me invejando?

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 24/02/13

Um passarinho


Um passarinho

Foi um passarinho que contou
Para quem ama é bem assim:
Deslembra fácil o que passou
Com simples cheiro de jasmim.

Um passarinho também falou
Para o amor não há empecilho
Parece o trem que desgovernou
Ou tão certinho em seu trilho!

O passarinho abriu o seu bico
E disse que quando eu crescer
Também vai comigo acontecer!

Perguntei ao passarinho então:
Para eu ficar graúda vai diferir?
Porque quero muito isso sentir!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 24/02/13


sábado, 23 de fevereiro de 2013

É inutil


É inútil

Longe de ser o seu entretenimento
Longe de estar ao borne de sua mão
E não subestime o meu sentimento
Não se dê o trabalho dessa tapeação.

E não use a força do seu falso anseio
Não pinte para mim o que não existe
Não vou me arrojar em seu devaneio
E é simples, faço o seguinte: desiste.

Longe de mim; abstrair essa tal ideia.
Nem perca tempo, fora de cogitação.
Não vai obter ludibriar meu coração.

O seu argumento não mais funciona
E tudo que vem de você soa leviano
E o seu “eu te amo” reflete o engano.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 23/02/2013


Nas asas da poesia


Nas asas da poesia

Já atravessei lugares intransponíveis
Já nadei sem me cansar todo oceano
Já aclarei ao mundo coisas indizíveis
Eu já fui um ser abstinente e insano!

Já fiz visita e passeei por todo o céu
No tobogã do arco-íris, escorreguei.
Pactuei com todos os seres um anel
No colo da lua, segura; já me deitei!

Com as asas abertas da imaginação
Contemplo o que de mais belo existe
Mergulho; a boa sensação persiste.

Voejo e açambarco qualquer mina.
Não me deixo ser levada por heresia
Vou a qualquer lugar com a poesia!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 23/02/13


A voz do silêncio


A voz do silêncio

O silêncio às vezes me diz coisas terríveis
Umas verdades que quase sempre doem
É uma serenidade com poderes indizíveis
Tapas com luva de pelica nos brios moem.

Melhor seria a palavra dita, um entrosar.
Do que esse silêncio que vem e arquiteta
Não me dá nenhuma saída, a me obrigar.
Constranger-me vai ser sempre sua meta

Às vezes o silencio é balsamo que preciso
Ele é a paz que adentra por todo meu ser
Ele diz também que eu tenho que crescer

A voz do silencio é firme, voz de verdade.
É um grito discreto que chama a atenção
Voz que traduz o que vai à alma e coração!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 22/02/13

Pena


"Pena que não pude fotografar meu sonho para te provar que estava lá!"

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 23/02/13


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Sem tempo para chorar


Sem tempo para chorar

Ainda a pouco na cozinha, lavando as louças, me veio um pensamento, e nesse pensamento mergulhei em uma reflexão.
Não temos mais nem tempo para chorar, às vezes de repente nos vem uma vontade, caem algumas lágrimas e pronto, somos interrompidos por alguém, pelo celular ou sei lá o que e não sabemos ao certo por que aquelas lágrimas caíram; elas simplesmente se perdem sem nexo. Não temos mais aquele tempo no quarto, de realmente chorar e sentir de verdade a lágrima, percorrer o caminho no qual a trouxe até nós.
_Sabe quando você ficava agachada lá no canto do quarto até soluçando, com o queixo apoiado nos joelhos olhando para o chão ou deitada grudada ao travesseiro ensopando-o, com o nariz até entupido, viajando pelos problemas buscando mentalmente, até fantasiando a melhor forma ou fórmula em resolvê-los.
Muitas das vezes não sabemos a razão que faz nossos olhos se encharcarem de lágrimas e descerem mornas pelo rosto. Às vezes sentimos as nossas lágrimas frias, está certo que muitos de nós jamais admitiríamos isso.
Às vezes choramos por algo que nem mereça lágrima, bobagens; outras vezes não choramos por algo que realmente que as mereça.
Percebo então que com a correria do dia a dia, perdemos um pouco a sensibilidade e aprendemos inda que se querer falsificar as lágrimas, talvez elas evaporem sem antes mesmo cair. Também percebo, que essas mesmas lágrimas às vezes são usadas como uma forma de comover alguém em prol de nós mesmos.


ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 21/02/13

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Hoje sou como as ondas


Hoje sou como as ondas

Feito um rio sossegado em seu leito
Eu movia devagar as gotas de viver
Porém em uma curva do meu peito
Encontrei pressa cabal de escorrer.

Em minha frente divisei o seu mar
De olhar lindo de tirar a respiração
Quando dei por mim já era só amar
Minhas gotas se fizeram: turbilhão.

Agitada pela vastidão do seu afeto
Joguei-me em suas águas; baralhei
Nas suas escorrências fiz meu teto.

Hoje você me provoca, me fiz ondas
Seus ventos me induzem às encostas
E nas praias de nós, fazemos rondas!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Teu amor


Teu amor

Pela janela dos teus olhos eu pude ver
O que ali foi exposto não era verdade
O sentimento fosco difícil de entender
Lustre que não revela a real claridade.

E na tua boca o verbo só a perambular
Viajando a esmo sem nenhum sentido
Expressão sem nexo só a me perturbar
Um embuste no que me era oferecido.

Por vezes me perdi em meio à balela
Sei que não é o certo, porém fraquejei.
Eu assumo que caí, mas já me apanhei.

E apenas uma coisa eu tenho a te dizer
Se não há intento de amar, não atente.
Jamais diga a alguém o que não sente.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 19/02/13


segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Entre rendas e perfumes


Entre rendas e perfumes

Difunda pelo meu corpo os teus beijos
Entre minha renda e perfume se deite
Dispa tua alma é mergulhe em desejos
Faça-me afogar em teu anseio, deleite.

E ame o que tiver ao teu abarcamento
Colha minhas flores, o néctar deguste.
Satisfaça teu instinto, teu pensamento.
Siga os meus quereres e não te assuste.

O meu alojamento é todo teu, te aposse.
Irrigue-me com a tua seiva e teus suores
Toque-me poesia, com teus dós maiores.

Se vista de ti, e desnude-te em pura pele.
Empunhe-te a tua excitação e veracidade
Entre rendas e perfumes mate a vontade.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 18/02/13


domingo, 17 de fevereiro de 2013

Tropeço


Tropeço

Tropeço no presente, às vezes o passado me ofusca.
Tropeço ainda no passado, pois está em meu trilho.
E então vivo nessa constante e predestinada busca
O tropeço em meu entusiasmo criador é estribilho!

Ergo-me a cada resvalo, sinto-me mais adolescida.
Não existe uma forma ou fórmula de tudo deserdar
Tenho que conviver comigo, desde que fui nascida
Então tento colocar tudo de mim no devido lugar!

Tarefa difícil... É tudo muito meu às vezes perturba
Busco a estabilização para a melhor desenvoltura
Evito colidir o piso firme com parte de rachadura!

Cambaleio sim, a força que tenho em mim é maior.
E busco sentir a fragrância da flor mesmo distante
Tento não sair de mim, entro numa fé inda errante!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 17/02/13


sábado, 16 de fevereiro de 2013

Senilidade muda


Senilidade muda

Nas manhãs frias, ela ali, sentada ao sol
E uma paixão aquecia o inverno da alma
Lá na esquina virando, ele e seu cachecol.
O seu coração se acelerava e batia palma.

Naquele encontro se via a chave de tudo
Que a idade para o sentimento não conta
Mapa que era pintura de um amor mudo
Uma linguagem que faz da pessoa tonta!

Tontos nos gestos, e entrega verdadeira.
O tempo invejoso não consegue escutar
E aquele sentimento falava com o olhar!

São braços que se abraçam sem palavra
Lábios que se beijam com verbo em ação
Madurados e amor absoluto no coração.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 16/02/13


Coisas que sei de mim


Coisas que sei de mim

Gosto de comer Toddy com colher
Gosto de andar descalça na chuva
Muitas vezes me desnudo da mulher
Arremesso longe a semente da uva.

Deito-me na cama e junto à parede
Só para sentir o frescor do cimento
Água estancada na mão mata sede
Sinto-me espontânea ao sentimento.

Eu gosto de me deitar no chão, laxa.
Exalar por todo lado meus cabelos
Mergulho em meio ao café a bolacha

Tenho manias loucas, coisas minhas.
Inda cansada nunca durmo sem orar
A música está nas minhas entrelinhas.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 16/02/13


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Arco-íris de mim


Arco-íris de mim


Quando os pingos da chuva dos meus olhos
se condensarem com o calor dos raios do teu sorriso,
minha vida será tomada pela refração da tua
luz e as gotículas das minhas lágrimas serão
suspensas ao ar, então verá no calor da nossa
noite o brilho da minha íris de tanto amar-te!


ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Talvez


Talvez

Talvez se o papel fosse mais exigente
Não aceitaria um bilhete mal escrito
Talvez se o silêncio fosse inteligente
Não se deixaria perturbar com o grito

Talvez se não usássemos coisa pronta
Seríamos criaturas inventoras de nós
Se não permitíssemos além da conta
Seriamos donos da nossa própria voz

Talvez se disséssemos mais a verdade
A dúvida não existiria ou iria embora
Talvez se déssemos mais valor à idade
Viveríamos mais intensamente o agora!

Talvez as palavras ditas com carinho
Não passam de descarado interesse
Se a rosa fosse ulcerada pelo espinho
Talvez por medo jamais florescesse

Talvez o gesto na doação de uma flor
Tenha acabado, ou se perdido a esmo!
Talvez a conceito que tínhamos de amor
Nesse exato momento não seja o mesmo.

ღRaquel Ordonesღ .
Uberlândia MG

Sem máscaras?


Sem máscaras?

Aqui, debruçada na janela da minha vida
Outras muitas vidas vejo abarcar lá fora
Há pessoas sorrindo com a exposta ferida
Outra que tem tudo para ser feliz e chora!

Vejo pessoas que ao seu próximo ajuda
Sem jamais passar em mente cobrança
Vejo outra que apoia, fingindo-se muda
Pensando no amanhã comer a herança!

Vejo pessoas tão fortes, feito um concreto
No seu canto choram incontrolavelmente
E por um abraço clamam profundamente.

Máscaras? Essas estão por todos os lados
E atire a primeira pedra quem nunca usou
Da minha janela sou realmente o que sou?

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 14/02/13


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Avalanche de versos


Avalanche de versos

Na parte íngreme da poesia te encontrei
E fui abordada pela avalanche de versos
Em nossas boas recordações me segurei
E percebi um vácuo nos meus reversos!

Jazia em mim palavra de afeto não dita
Que eu resguardei esperando tua volta
Gritava em mim uma saudade bendita
Às vezes cria que era grito da revolta!

E tudo que é excessivo... Passa da conta
Saudades é bom, mas tudo tem o limite
E essa avalanche de versos tudo permite.

Permite dizer-te que a tua saudade aflige
Que o que eu guardo para ti é muito bom
E não borre meu rímel, borre meu batom!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 13/02/13

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Saudades


Saudades

São reprises boas
Que da alma delineiam
Flores que perfumam.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 12/02/13


"vem ser"


Vem ser

No sobe e desce da vida brota à limitação.
Sem tempo marcado, achega e acontece.
À resquício de sopro, brilha certificação.
Comboiado por uma cachoeira de prece!

O acaso por mais doído que seja, ensina.
De um jeito dolente, quase desanimador.
Quem sabe já foi desenhado em tua sina
Mas não creio que seja obra do criador!

Imprudência? Não sabemos se acertado
E o lamento não te traz nada em regresso
Em dificuldade, busque teu novo acesso.

Surgem as novas descobertas, e chances.
O convite: vem ser o que o acaso te altera
Com Deus e amor a essência se regenera.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 12/02/13


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Libélula


Libélula

Cristalinidade
Asas num voo rasante
Na poça da chuva!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 11/02/13


domingo, 10 de fevereiro de 2013

Libada


Libada

Mira-me teus olhos
Sinto-me tão devorada
Abelha no néctar!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 10/02/13


sábado, 9 de fevereiro de 2013

Cordões de carnaval


Cordões de carnaval

É festejo mais popular
Mais animado do mundo
É festival mais profundo
Disparidade no dançar
Folia que não que parar
De origem europeia
Quem sabe a epopeia.
Refere-se à liberdade
Corrente de amizade
Da princesa á plebeia!

A quaresma antecede
A máscara e fantasia
Música, alegoria
O esforço não se mede
Difícil algo que impede
De origem europeia
Quem sabe a epopeia.
Rei Momo e Pierrô
Colombina, que calor.
Da princesa á plebeia!

Folia, blocos, cordões.
Os carros ornamentados
Os enredos bem bolados
Infindas decorações
Das pessoas, arrastões
De origem europeia
Quem sabe a epopeia.
É no chão e na altura
No folião a loucura
Da princesa á plebeia!

Desmedida dimensão
Conta ponto a marchinha
Na animação é rainha
Polida organização
Rua não tem contramão
De origem europeia
Quem sabe a epopeia.
O samba em seu baú
O frevo e maracatu
Da princesa á plebeia!

Tem peculiaridades
De norte a sul do país
Importante é ser feliz
Disputado em cidades
Noutras sem as beldades
De origem europeia
Quem sabe a epopeia.
Pulam bonecos gigantes
Trios elétricos dançantes
Da princesa á plebeia!

Assim é o carnaval
A festa mais luxuosa
Da simples à poderosa
A dança universal
Toda gente é igual
De origem europeia
Quem sabe a epopeia.
Ano cabal em preparo
É minúcia no reparo
Da princesa á plebeia!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 09/02/13




Faz-me carnaval


Faz-me carnaval

Você inflama a minha fantasia
O meu coração bate de alegria
E o meu corpo explode em festa
Para a aflição, nada mais resta.

Minha alma dá risada colorida.
Sua luz detona minha avenida
Faz do meu ser lindo carnaval
Luxuosamente... E tão natural.

Minha festa, minha veste nua.
No bloco do meu peito destaca
Dez em todo quesito, emplaca.

Sem máscaras e só sentimentos.
O meu abra alas do doce prazer
Folia, samba e sua no meu viver!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 09/02/13


Meditar


Meditar

Na rede da varanda
Olhar fixo no nada
A flor gira ao sol!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 08/02/13


quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Estou voltando para mim


Estou voltando para mim

Por hora vou dar um tempo; careço.
Necessito de mais cuidado; decidido.
Quero me dar mais carinho; mereço.
E mais natureza ao meu imo florido.

Quero me levar a passear; descalça.
Quero correr na chuva sem direção
Ser simplesmente eu; longe da farsa.
Deixar transparecer minha emoção.

Cantar no chuveiro; despreocupada.
Permanecer de pijama até meio dia
Andar no parque sem hora marcada.

Jogar bola com crianças em alarde
Deitar juntinho a mim no edredom
Estou voltando para mim; aguarde!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 07/02/13


quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Eu livro


Eu livro

Sou feito livro, na gigante e arejada biblioteca da terra
Sou novela, ficção, musical, aventura, erótico e guerra.
Às vezes “comprada”, por uma simples olhada na capa
Contemplam-me por fora, então me sinto leitura fraca.

Nem pesquisam o meu índice, olham apenas aparência
A capa física vale muito, desvalorizam minha essência
Diversas pessoas me estimam pelos títulos que possuo
Nulificam as minhas páginas, tentam evitar que evoluo.

Outros ainda buscam em mim sensacionalismo barato
Dramas alheios, terror, demudando-me em algo ingrato
Leem-me a cada momento, às vezes capa, até coração.

Mas minha capa sou eu, real e sem nenhuma mutação.
Faço questão de ser um bom livro, agradável ao leitor
Capas rasgam; sentimentos não, muito menos o amor.


ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 06/02/13


terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Ventos


Ventos

Sinto os ventos de todos os lugares
Fecho os meus olhos para senti-los
Vêm-me perfumes de todos os ares
Meu abraço se abre quero segui-los!

Mudança de rumo, Cabelos enleiam.
Agitam como velas de barco em onda
Viaja minha alma, sorrisos permeiam.
Há a delicia de frescor que me ronda!

Sinto-me quase um vento em leveza
Quase flutuo; percebo meus retalhos.
Estão costurados, carris sem atalhos.

Sou eu ao vento em contínuo ventar
Os olhos se abrem, realidade retorna
Inda em sonho, desperto a madorna!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 05/02/13


Deus do amor


Deus do Amor

Espera interminável talvez
Há tempos morava em mim
Falta de afeto na alma e tez
Vaga de flor no meu jardim.

Faltava um “q” misterioso
A ilusão me acompanhava
Coração sentimento ocioso
O trilho ninguém cruzava.

E de repente o sol brilhou
Seu sorriso me fez manhã
Tarde linda em flamboyant

Na noite o sonho me vem
Consigo meu sonho tocar
Hoje tenho você para amar!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 05/02/13

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Show de asas


Show de asas

Ventos de outono
Dão asas as folhas secas
Show de borboletas!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 04/02/13

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Amor não se mensura


Amor não se mensura

Amor leva ao primeiro passo, o meio da estrada
Ele se estende ao fim do caminho além da cerca
Ele conecta a realidade em uma coisa sonhada
É um medo encorajado isentado de toda perca.

O amor é lume, quanto mais venta mais alastra
Liberdade que nos atrela, soltura que quer mais
É força que nos toma, e nos ganha em canastra
É consciência assumida que suporta todos os ais.

Amor é uma realidade que combate o maligno
É um apetecer de verdade que a tudo faz o bem
É a Soma da multiplicação e a divisão também

O amor está dentro e jorra para fora em sonhos
Se há fidelidade desmesurada, transpõe o céu
É a liberdade da alma que desnuda todo o véu.

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 03/02/13

Pingo


Pingo

Sorri e borbulha
Lá na curva do riacho
O pingo da chuva!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 03/02/13


Arrepio


Arrepio

Sentido inexistente
Faz-se sentido, te sente.
Frisson na alma!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 02/02/13

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Meu sexto sentido


Meu sexto sentido

Em mim, invisibilidade que enxerga
Mesmo a longa distancia é discreto
Sentido com a eficácia que enverga
Apalpar o desconhecido encoberto.

É chama acesa no cerne do meu eu
Excitação que faz buscar respostas
É caça de algo que não se escondeu
E me faz incessantemente propostas.

Ardor que me mantém em movimento
O pensamento faz inúmeras gravuras
Irrefreável sentido que leva as alturas.

Sexto sentido é um vozear poderoso
E tem uma capacidade da persuasão
Um distinguir-te além da minha visão!

ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 02/02/13


sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Uma pausa


Uma pausa

O silêncio pediu que eu o ouvisse
Assentei-me ao seu lado no chão
Uma lágrima entrou na conversa!


ღRaquel Ordonesღ
Uberlândia MG 01/02/13